domingo, 11 de novembro de 2012

A nova Bagdá (Repostagem FF)


Este texto foi escrito em 09-12-2010 para o antigo blog Finisticamente Falando. Infelizmente perdi boa parte do conteúdo quando migrei para o WordPress, mas, por sorte, tenho alguns arquivados aqui no Blogger. Tenham em conta que fazem quase dois anos que ele foi escrito.

Para entender o que aconteceu, e o que está acontecendo, clique aqui.




Ainda estou a espera dos respingos que o vazamento da correspondência oficial dos diplomatas norte-americanos publicados pela WikiLeaks causará. Sim, porque todo esse atrito internacional é pouco, muito mais está por vir, mas já trataremos disto.

Para quem ainda não tem conhecimento do acontecido, vai ai um resumão: a WikiLeaks é um site - tipo Wikipédia - que publica informações, documentos ou fotos de conteúdo confidencial através de usuários anônimos. Recentemente a Wikileaks publicou uma série de documentos confidenciais (por volta de 250 mil) do Governo dos EUA, em que seus Embaixadores estavam a trabalhar como espiões nos respectivos países - ingênuo é o que pensa que isto não acontece com todos os outros países. Nem os principais líderes dos países desenvolvidos e os países ditos aliados dos EUA não escaparam. Incluíam-se desde ações do Governo, a acontecimentos internos de interesse americano. Até mesmo pessoas que eram "anônimas" e passaram a ser conhecidas pelo mundo, como é o caso de alguns venezuelanos que lutam pela democracia em seu país.

Localizaram a fonte que forneceu o conteúdo ao site. O soldado americano - pois é, o soldado americano - Bradley Manning. Já está preso, podendo até ser condenado a morte, como já foi pedido por alguns Republicanos. O dono do Wikileaks, o suéco/australiano/apátrida Julian Assange, também já foi preso na Inglaterra, não pela publicação, mas por duas denúncias de abuso sexual.

Muitos Estados querem a prisão do suéco/australiano/apátrida Julian Assange, principalmente o norte-americano, pois configura-se como crime o que foi publicano. Primeiro o sujeito nem cidadão norte-americano é, na verdade nem país tem, logo não pode ser condenado por "trair a pátria"; segundo, condenem o New York Times, The Guardian, El País e Der Spiegel, pois sem estes o mundo jamais teria conhecimento do conteúdo, já que agiram em acordo com o sueco/australiano/apátrida Julian Assange.

Aqui a primeira medida foi deixar o site fora do ar nos Servidores europeus, mas a quantidade de espelhos criados (aproximadamente 1000) ainda permite o acesso ao conteúdo. Como este que uso http://213.251.145.96/



Aos fatos

Poucas semanas atrás aconteceu aqui em Lisboa a Cimeira da OTAN/NATO. Entre os pontos relevantes estava o discurso de como os países membros da OTAN deveriam criar mecanismos de combate ao novo terrorismo: os crimes informáticos (e-crimes), pois o terrorismo diversificou seus meios.

Por ironia do destino - e só por ele - o país tido como "papai da OTAN", e Estado com maior nível de segurança, é alvo da vazamento de informação confidencial, fato que já é noticiado como "O 11 de Setembro da Diplomacia". Como isso é possível?

Caros, vocês estão diante de um novo Iraque, mas com proporções incrivelmente maiores. Vocês irão  assistir nos próximos meses a um debate feroz por algum tipo de regulamentação internacional da informação na Internet, ou de normas que facilitem o bloqueio a Servidores pelos Estados, algo que muitos países tentam a todo custo, inclusive plantando a própria cruz, e o pior: através da desconfiança e do medo.

Na minha cabeça - e atenção: em minha cabeça - essa "fuga" foi facilitada pelo EUA, pois não há meio melhor para manipular o homem  do que através do medo. Foi assim que a Roma contemporânea fez o que faz durante décadas.

Eles já sabiam que a primeira providência era retirar o Wikileaks do ar, e sabiam que uma das reações era a invasão de vários sites por Hackers, como aconteceu ao do MasterCard, impossibilitando o pagamento online pelos seus clientes.

Já temos o novo Saddam, aquele que facilitaram a chegada ao poder. E que deu o exemplo: vejam o que acontece com aqueles que não aceitam a nossa dementocracia. São literalmente enforcados.

Já temos a nova Bagdá: o seu computador. Ele e o acesso a toda informação pessoal que esteja disponível na Grande Rede, isto quando o Estado sentir que você é um "potencial terrorista".

Do fundo das minhas entranhas, espero muito - muito - estar enganado.

PS: Ainda penso que é uma crise na sonhada globalização, mas o Jamelão acha que não. Vou tentar convencê-lo e depois digo algo.

Um comentário:

  1. Olá, Seguindo seu Blog lá do ORKUT...segue o meu blog também http://memorialdaatrizmariapadilha.blogspot.com.br/ OK??

    att!

    ResponderExcluir