quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Entre a beleza e a dúvida



Algumas vezes fui criticado pela limitação do meu ceticismo, de como eu poderia me fechar para a beleza que está diante dos meus olhos. "Veja quanta beleza foi criada e não ignore isso!" é o que tentam argumentar. Sempre devolvo com perguntas: se é criado, por que então a Natureza não é estática? Por que o mundo subatômico é caótico? Como ignorar um fato, algo evidente, objetivo, e aceitar uma imposição incoerente, irracional e subjetiva? Nunca obtive uma resposta plausível. As respostas sempre giram - e validam-se - do próprio meio em que, falaciosamente, saem, ou seja, da incoerência. 

Tenho uma concepção de 'realidade' um pouco parecida com a de Richard Feynman. Não sei se estou certo, não sei se estou errado. Na dúvida, fico com a dúvida.



"Eu tenho um amigo que é um artista, e de vez em quando ele toma uma posição que eu não concordo muito bem. Ele segura uma flor e diz:

- Olha como é bonito.

E eu concordo. E ele diz:

- Viu, eu, como um artista, posso ver como isso e tão belo, mas você, como um cientista, desmantela tudo isso e se torna em uma coisa muito chata.

E eu acho que ele é meio maluco. Primeiramente, a beleza que ele vê está disponível para outras pessoas e para mim também, creio eu, embora eu posso não ser tão refinado esteticamente como ele é, mas eu posso apreciar a beleza de uma florAo mesmo tempo, eu vejo muito mais a respeito da flor que ele vê. Eu posso imaginar as células lá dentro. As ações complicadas, que também têm uma beleza. Quero dizer, não existe beleza só nesta dimensão de um centímetro, também há beleza em dimensões menores. A estrutura interna, também os processos, o fato de que...as cores e as flores se evoluíram, a fim de atrair insetos para polinizar é interessante. Significa que os insetos podem ver a cor. Isso adiciona uma pergunta: será que esse sentido estético também existem nas formas mais baixas que são? 

Por que é estético?

Todos os tipos de questões interessantes que com a ciência, o conhecimento, só aumenta a excitação, e mistério, e a admiração de uma flor. Isso só acrescenta. Eu não entendo como pode subtrair.

Se você espera que a ciência venha lhe dar todas as respostas para as perguntas maravilhosas sobre: 

O que somos, para onde vamos, qual o significado do universo, e assim por diante, então eu acho que você poderia facilmente se tornar desiludido e procurar alguma resposta mística para estes problemas. 

Como um cientista pode ter uma resposta mística, eu não sei por que o espírito todo é de entender...

Bem, não importa isso, quero dizer... Nem eu mesmo entendo isso. Mas de qualquer forma, se você pensar sobre isso... da maneira que eu penso o que estamos fazendo... Estamos explorando, estamos tentando descobrir o máximo que pudermos sobre o mundo.

As pessoas me dizem:

- Você está procurando as leis definitivas da física?

Não, eu não estou, eu estou olhando apenas para descobrir mais sobre o mundo. E se acontecer que existe uma simples lei final que explica tudo, que assim seja. Isso seria um descobrimento muito bom. Se acabar ficando que é uma cebola com milhões de camadas, e nós estamos fartos de olhar para essas camadas, então isso é o que seja. Mas seja qual for o resultado, a natureza está lá, e ela vai revelar-se tal qual como ela é. Por isso, quando formos investigá-la, nós não devemos pré decidir o que estamos tentando fazer, exceto para procurar mais sobre isso.

Você vê uma coisa... é que eu consigo viver com dúvida e incerteza em não saber. Eu acho que é muito mais interessante viver sem saber ao invés de ter respostas que podem ser as erradas. Eu tenho respostas aproximadas, e possíveis crenças, e graus diferentes de certeza sobre coisas diferentes. Mas não tenho absoluta certeza sobre nada, e sobre muitas coisas eu não sei nada a respeito, mas não preciso ter uma resposta. Eu não me sinto amedrontado por não saber sobre estar perdido em um universo misterioso sem ter nenhum propósito que é a maneira como realmente é, a tanto o que eu posso dizer...possivelmente. Isso não me assusta.

Entao, com tudo isso, eu nao consigo acreditar nas histórias especiais que foram inventadas sobre a nossa relação com o universo em geral porque... elas parecem ser... muito simples, muito conectadas, muito local, muito provincial.

'A Terra! Ele veio para a terra! Um dos aspectos de Deus veio à Terra, aceite isso!' E olhar para o que está lá fora! Como pode... isso não está em proporção. De qualquer maneira, não adianta argumentar. Não posso argumentar. Só estou tentando lhe dizer, pelo ponto de vista científico, ou pela visão de meu pai, é que devemos olhar para ver o que é verdade. O que talvez seja, ou talvez não seja verdade. Quando você começar a duvidar. O que acho, que para mim, é uma parte muito fundamental da minha alma... é duvidar e perguntar.

Quando você começar a duvidar e perguntar, fica um pouco mais difícil de acreditar."

Nenhum comentário:

Postar um comentário